PADI MARINE LIFE PHOTOGRAPHER

 

Saber quem é quem no fundo do mar, onde e como encontrar os seres marinhos, e como usar o conhecimento sobre seu comportamento para facilitar suas fotos é um diferencial grande para fotógrafos sub.

 

Muitas vezes se perde ótimas oportunidades de foto por deixar pequenos mas excelentes motivos passarem despercebidos por sob o corpo quando se nada sobre um costão, ou por não atentar para a linguagem corporal dos peixes, por exemplo. Uma fresta na pedra pode esconder belos animais, e minúsculas criaturas apresentam colorido e textura incríveis, desde que primeiro sejam localizadas, e depois fotografadas da maneira correta.

E a aproximação? Um invertebrado séssil (que fica fixo ao substrato) nem sempre é fácil de aproximar como se pensa; ele pode não fugir, mas pode se esconder em um tubo na areia, caso dos ceriantos, ou em tubos incrustados em corais e hidrocorais, como alguns vermes que armam uma "rede de pesca" de cerdas para a captura de seus alimentos.

Até mesmo os grandes peixes e as tartarugas irão fugir das fotos caso se sintam ameaçados, caso o fotógrafo invada a sua zona de conforto de forma mais agressiva ou sem harmonia de movimentos e tranquilidade.

Então, fotógrafo sub, entenda os seres marinhos, observe-os bastante, adquira mais conhecimento através de cursos especializados; seus resultados fotográficos vão surpreender a você e seus amigos.

 

 

"Que plantinha é essa?"  "Que bicho estranho, nunca vi... Como achar isso?"  "Como chegar tão perto desse peixe e ele não fugir?" "Por que nunca vejo esse bicho quando mergulho nesse mesmo local?"

 

Por causa de perguntas como estas ao longo dos muitos anos de cursos e eventos relacionados à foto sub e palestras diversas vi que, embora os temas de fotos sub sejam primordialmente os seres marinhos, muitos mergulhadores que gostam de fazer fotos não os conhecem, e com isso não conseguem fotografar muitas destas criaturas, ou sequer encontrá-las. Embora eu não seja biólogo de formação, posso dizer que tenho uma experiência de campo muito boa, e aprendi muitas coisas sobre a fauna marinha baseado principalmente em observação de hábitos, comportamentos, e características físicas, além de muita leitura e pesquisa para classificar minhas fotos. Tanto para fotografar invertebrados como peixes é necessário que se saiba onde, quando e como procurar, como se aproximar e se aproveitar do conhecimento sobre a criatura para se conseguir uma boa imagem da mesma."​

 

 

A história do curso MARINE LIFE PHOTOGRAPHER é longa. Um primeiro material de ensino nasceu a partir da compilação, no final dos anos 90, de imagens de seres marinhos feitas por mim desde 1986 no Brasil e Caribe, para que ministrasse com material exclusivo os cursos UW NATURALIST (PADI) e MARINE LIFE (PDIC). À época as fotos eram cromos que foram classificados conforme os diversos grupos de invertebrados comumente encontrados pelos mergulhadores, e muitos peixes. Em  2000 este material foi digitalizado e surgiu o pioneiro CD "Identificação de Seres Marinhos", novidade à época, adotado por diversas escolas  PDIC como material de apresentação do curso MARINE LIFE, e que obteve patrocínio da PADI através da sua ONG PROJECT AWARE. Em 2006 a idéia de um curso onde os mergulhadores não apenas passassem a conhecer os seres marinhos mas também aprendessem onde encontrá-los e fotografá-los ganhou forma, e o curso MARINE LIFE PHOTOGRAPHER surgiu, devidamente avaliado e homologado pela PADI E PDIC como especialidade distinta e exclusiva. Com a ajuda de biólogos marinhos que conhecem profundamente o tema, como Armando de Luca Júnior e Aline Aguiar o material escrito foi revisado, e Alfredo Carvalho Filho, autor de diversos livros e trabalhos sobre peixes recifais, revisou a classificação das fotos de peixes. Na parte de invertebrados diversos especialistas ajudaram no trabalho de identificação de fotos dos vários grupos abordados, embora em muitos casos a identificação de espécies seja impossível por foto, até mesmo porque muitas das espécies fotografadas ainda não foram descritas.

 

O curso MARINE LIFE PHOTOGRAPHER compreende em torno de 10 horas de teoria, onde são abordados os seguintes tópicos:

    Introdução ao Mundo Subaquático
    Esponjas
    Corais, Anêmonas, Águas-vivas, Hidrocorais
    Ctenóforos
    Briozoários
    Vermes Marinhos
    Conchas, Lesmas, Polvos e Lulas
    Lagostas, Caranguejos, Camarões & Cia.
    Estrelas do mar, Ouriços & Cia.
    Tunicados
    Peixes Ósseos (introdução)
    Peixes Cartilaginosos (introdução)
    Golfinhos
    Tartarugas
    Relacionamentos entre animais marinhos
    Comportamento do Mergulhador no Ambiente Marinho

 

Os módulos sobre peixes são genéricos, sem detalhamento de espécies, apenas com comportamentos e características gerais; para detalhamento maior sobre peixes há o curso FISH PHOTOGRAPHER, com 8 horas de teoria só sobre o tema; veja descrição.

 

 

O aluno recebe uma apostila própria em PDF e um conjunto de arquivos PDF com as transparências utilizadas durante as aulas.


Assim como no curso FISH PHOTOGRAPHER o kit com o livreto "De Olho no Peixe" e o  livro "Identificação e Fotografia de Peixes Marinhos" pode ser adquirido em condições promocionais. O curso pode ser dividido em 3 aulas em dias úteis, à noite, com pouco mais de 3 horas de aula por dia;  ou então um intensivo de final de semana, com 5 horas de aula em média por dia com intervalos para almoço. O esquema adotado dependerá da escola e da cidade onde o curso for ministrado. 

 

Para certificação PADI MARINE LIFE PHOTOGRAPHER é necessário um checkout de mar, no qual o aluno recebe uma lista de seres marinhos, por grupos, para buscar e fotografar; as fotos são discutidas quanto ao seu enquadramento nos itens solicitados, e quanto à sua qualidade técnica. Este exercício originou em 2008 o evento pioneiro chamado de GINKANA DE IDENTIFICAÇÃO DE SERES MARINHOS, que em sua primeira versão contou com 60 mergulhadores.

 

 

VOLTAR

© 2018/08 por Ary Amarante - todos os direitos reservados

  • facebook